R. Sete de Setembro, 363 - Americana, SP
55 (19) 3461.7048 - (19) 3461.1865
ipamericana@ipamericana.org.br
Tema do Mês
Fé centralizada na pessoa de Cristo
Lucas 2. 11
 
 
 
Mensagens
 
06/03/2016
ENGANOS DO CORAÇÃO

Texto: Lucas 18.9-14

I – Introdução
Na semana passada a imprensa escrita noticiou que “em um testamento escrito a mão, o líder da Al-Qaeda, Osama Bin Laden, afirma ter cerca de U$ 29 milhões em fortuna pessoal que gostaria que fossem utilizados ‘na jihad, para o bem de Alah’. O testamento foi divulgado com mais de 100 outros documentos capturados em maio de 2011, no ataque que resultou na morte de Bin Laden no complexo de Abbottabad, no Paquistão.

O líder da Al-Qaeda pretendia dividir sua fortuna entre parentes, mas queria que a maior parte dela fosse gasta na condução dos trabalhos de extremistas islâmicos após os atentados de 11 de setembro. A ameaça de morte repentina estava em sua mente anos antes do ataque fatal. ‘Se eu for morto’, escreveu em 2008 em carta para seu pai, ‘reze muito por mim e faça caridade continuamente em meu nome, que estarei em grande necessidade de apoio para alcançar a casa eterna”. (Jornal “O Estado de São Paulo” de 01/03/2016). Bin Laden estava enganado.

II – Narração
No texto de Lucas 18.9-14 é registrada uma parábola que o Senhor Jesus contou. O escritor nos auxilia no entendimento da mesma informando a razão do Senhor contar a parábola (Lc 18.9). Na parábola, dois homens sobem ao templo para orar. Um religioso, o outro, nem tanto.

O religioso orava de si para si, cheio de orgulho e arrogância. O publicano, um coletor de impostos, batia no peito, reconhecendo sua necessidade do favor divino. Percebemos o quanto estava enganado o coração do religioso.

III – Tema: Enganos do coração

1) A respeito de Deus
O fariseu estava enganado a respeito de Deus e da oração. Usava a oração como forma de reconhecimento público, não como exercício espiritual para glorificar a Deus. Por vezes, pensamos na existência de um Deus utilitário, como se fosse um “gênio da lâmpada” que está ali para atender aos nossos caprichos.

2) A respeito de nós mesmos
O fariseu acreditava ser aceito por Deus em função do que fazia ou deixava de fazer. Os judeus deveriam jejuar apenas uma vez por ano, no dia da expiação (Lv 16.29), mas ele jejuava duas vezes por semana. Ia além. O salmista do salmo 139 exalta o conhecimento que Deus tem de nós mesmos. No final do salmo ele faz uma oração que deve ser a nossa oração todo o dia: “Sonda-me, ó Deus, vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno” (Sl 139.24).

3) A respeito do outro
O fariseu acreditava que o publicano era um grande pecador. Mas, foi o publicano que voltou para casa justificado. O orgulho do fariseu condenava-o; mas a fé humilde do publicano o salvou. O Senhor Jesus mostra a regra áurea do reino de Deus: “todo que se exalta, será humilhado; mas, o que se humilha, será exaltado. Somos pecadores. Carecemos da graça maravilhosa de nosso Deus.

IV – conclusão
Osama Bin Laden estava enganado. Nosso coração pode estar enganado a respeito de muitas coisas. Na expressão de nossa fé podemos nos enganar com muitas coisas. Que haja discernimento em nossas vidas e em nossa prática religiosa. Que o Senhor de nossas vidas nos auxilie.

 
 
IPA . Igreja Presbiteriana de Americana © 2014-2015 . Todos os direitos reservados . Criado por DRW Integrada
 
Quem Somos Sociedades Ministérios Informações Contatos
Notícias
Agenda
Boletim Semanal
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Mensagens
Estudos
IPA TV
Fale Conosco
Atendimento
Congregações
Cadastre-se